Entrevistas: Álvaro Guimarães

Álvaro Guimarães Teixeira, está a iniciar o 35º ano como dirigente no FC Infesta.

É um dos principais seis elementos da Comissão Administrativa. Álvaro Guimarães Teixeira, foi atleta do Infesta, e desde à 34 anos que sempre fez parte das sucessivas direcções do FC Infesta. Conhece a realidade do clube como ninguém e sabe que apesar das grande dificuldades, a actual Comissão Administrativa vai conseguir levar a bom porto a nau infestista.

Foi um dos Dirigentes que acompanhou, durante trinta e quatro anos, o Sr. Manuel Ramos na Direcção do Clube. Muitos desses anos foi o Tesoureiro. Como é que o Clube está em termos financeiros? 

No início do meu cargo directivo como tesoureiro do FC Infesta e com o Sr. Manuel Ramos como Presidente da Direcção, havia um rendimento muito importante para o bem-estar financeiro do clube, que era o “kino” (bingo). Também a publicidade no estádio e pavilhão, assim como o patrocínio nos equipamentos, fazia com que o Infesta tivesse uma situação financeira muito confortável. Depois, com a retirada deste jogo (kino) por parte da polícia e com as empresas a sentirem muitas dificuldades, as receitas começaram a diminuir, fazendo com que houvesse necessidade de recorrer à ajuda monetária do Sr. Manuel Ramos, sempre que o saldo da conta bancária ficasse a descoberto. 
Actualmente e com a saída do nosso Presidente, a comissão administrativa terá de fazer um orçamento de acordo com as receitas efectivas que o clube irá ter e só depois, analisar as despesas com que se poderão comprometer para a época que agora se inicía. 

Por que é que, no seu entender, sendo do conhecimento público que o Infesta é um Clube cumpridor e sem dívidas, existiu tanta dificuldade em constituir elenco directivo? 

Admito que havia elenco directivo, apenas se sentiu dificuldade de arranjar Presidente à altura de substituir o carismático Sr. Manuel Ramos. A responsabilidade na sucessão é que criou obstáculos a quem ousasse substitui-lo, pois era um fardo muito pesado e ninguém quis arriscar esse desiderato. Admito que após o final desta época e com uma organização capaz, será mais fácil conseguir-se um Presidente para o nosso clube.     

Como é que viu a formação desta Comissão Administrativa? 

A formação desta Comissão Administrativa teve uma pessoa incansável, chamada Jorge Amaro, que, como o referi na última assembleia geral, se não tivesse sido ele, o FC Infesta teria acabado. Ele, com a ajuda de mais 5 associados e após várias reuniões, se conseguiu criar esta Comissão que, como é de esperar, irá sentir muitas dificuldades no desempenho das suas tarefas, atendendo aos poucos apoios financeiros que irão surgir. Aproveito desde já para pedir a todos os associados e simpatizantes que se unam a esta Comissão Administrativa e a ajudem pois, “a seara é grande e os trabalhadores são poucos “. Apareçam a ajudar e proponham novas iniciativas para o sucesso desta Comissão.  

Acha que existem razões para se acreditar que o futuro do Infesta está minimamente sustentado através desta Comissão, da qual também faz parte? 

Como referi atrás, a sustentabilidade do clube estará salvaguardada, desde que as despesas que esta Comissão Administrativa se comprometer não sejam superiores às receitas garantidas que o clube tenha, sempre com a melhor colaboração de TODOS os associados e simpatizantes.

Sabemos que procura acompanhar, sempre que possível, as equipas do Infesta, tanto de futebol como de andebol. Relativamente ao futebol e mais concretamente à equipa sénior, acha que a aposta feita no técnico Formoso para orientar a equipa foi boa? 

O treinador escolhido para o futebol sénior foi a melhor opção atendendo à falta de acordo com o Prof. José Manuel Ribeiro. Por um lado é reconhecido o carinho muito especial que o mister Formoso tem para com o clube, tendo sido atleta durante alguns anos, por outro pela prova dada na época passada, como treinador dos Juvenis, onde fez uma época extraordinária com os jovens deste clube. A sua experiência, aliada ao espírito de colaboração que é seu apanágio e com as dificuldades financeiras que o clube atravessa, na minha opinião, foi a escolha mais acertada. Todos lhe desejamos as maiores felicidades, com os maiores êxitos desportivos, assim como à sua equipa técnica.   
  
Esta época certamente vai haver maior contenção no orçamento da equipa…

Sem a ajuda financeira habitual do Sr. Manuel Ramos, o FC Infesta terá de gastar apenas os valores que poderá suportar mediante as receitas confirmadas. Para o clube poder manter a seriedade conquistada ao longo dos últimos anos, terá de ter um orçamento equilibrado entre as receitas previstas e as despesas adequadas, de forma a poderem cumprir com valores acordados entre o clube e os atletas. 

E as camadas jovens? Acha que tem sido desenvolvido um bom trabalho? 

Todas as camadas jovens do clube têm sido tratadas com todo o carinho, quer por parte dos seus dirigentes, quer pelos treinadores. Todo este trabalho tem dado os seus frutos nomeadamente na formação, conseguindo-se sempre integrar alguns atletas na equipa sénior de futebol, constituindo assim uma mais-valia para o nosso clube. Também é de enaltecer o apoio incondicional dos pais dos atletas, pagando mensalmente uma verba, para ser possível dar as melhores condições aos seus filhos, no desempenho da sua actividade, Só com este apoio é possível oferecer, no final de cada jogo oficial, um lanche a cada atleta. 

Quanto ao andebol… Passa cá para o exterior a ideia de que a secção está a ser muito bem orientada no seu geral. Concorda? 

Apesar de estar mais presente nos jogos de futebol, no andebol os dirigentes têm sido incansáveis, pois em todas as camadas (quer masculino, quer feminino) os resultados são excelentes, com vários títulos conquistados. De realçar também o profissionalismo dos treinadores, que, apesar do clube não ter pavilhão próprio, as equipas conseguem feitos dignos do nosso incondicional apoio e regozijo.

Um Clube da grandeza do Infesta não merecia ser mais apoiado pelas entidades governativas? A Câmara Municipal de Matosinhos tem estado à altura desse apoio? 

Era obrigação das autarquias, o apoio a todos os clubes do concelho, assim como às associações recreativas, culturais, etc., pois são elas que dinamizam o concelho e levam o nome a todo o país. A junta de freguesia, na pessoa do seu Presidente, Sr. Moutinho Mendes, tem ajudado, dentro das suas possibilidades, no apoio financeiro ao clube. Já a Câmara Municipal, desculpando-se com a “lei dos compromissos” tem regateado as ajudas habituais, fazendo com que os clubes tenham mais dificuldades financeiras.

Quer deixar uma mensagem para os infestistas? 

A todos os infestistas, quer sejam sócios ou simpatizantes, peço-lhes que ajudem o FC Infesta nesta fase de transição, onde é expectável que os resultados desportivos não irão ser os mais adequados aos nossos interesses, mas o que o mais importante é manter os jovens mamedenses ocupados na prática desportiva. Por favor não desistam de apoiar os nossos atletas, caso os resultados não sejam os melhores para as nossas cores, e, se possível, compareçam sempre nas iniciativas, levadas a efeito por esta comissão administrativa.

Deixe um comentário